ENTREVISTAS – PROFISSIONAIS DA ARTE

ENTREVISTAS – PROFISSIONAIS DA ARTE

Seguimos com nossas entrevistas junto com as profissionais da arte com uma conversa conduzida por Julia Baker com a produtora cultural Stella Paiva. A entrevistada nos conta um pouco do seu percurso na área, mostrando como a produção atua em conjunto com artistas, curadores, montadores, […]

ENTREVISTAS – PROFISSIONAIS DA ARTE

ENTREVISTAS – PROFISSIONAIS DA ARTE

Passamos nossa vida educando e sendo educados, em uma eterna troca de cadeiras entre esses papéis afinal, o estudante tem tanto a oferecer quanto o professor, o tutor. Educação invade espaços, não é apenas na sala de aula, com um quadro branco ou, atualmente, na […]

ENTREVISTAS – PROFISSIONAIS DA ARTE

ENTREVISTAS – PROFISSIONAIS DA ARTE

O profissional do restauro e conservação dificilmente é reconhecido com frequência pelo público em geral. Só lembramos dele quando casos exdrúxulos ganham os jornais, como no caso do restauro de um afresco com a imagem de Jesus em uma igreja na Espanha. Porém colecionadores e museus dependem do profissional para garantir que suas obras não sofram danos permanentes e possam ser apreciadas em exposições atuais e futuras.

Na terceira entrevista, Julia Baker conversou com Valéria Sallenas, diretora da Libra Cultural. Atuando a mais de dez anos na área de conservação, restauro e museologia, Valéria trouxe informações importantes sobre os cuidados com as obras de arte e sua relação com o campo. A paixão pela arte a levou a buscar caminhos para que esse encontro perdurasse em sua trajetória. Mesmo que nossa primeira tentativa não seja a final, Valéria mostra em seu depoimento como, ao se permitir experimentar com a aprendizagem de pintura e do restauro, acabou encontrando um campo de atuação.

NAPUPILA  Sua graduação foi em pintura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Como foi a escolha do curso? Você sempre teve uma proximidade com as artes visuais? Queria ser artistas quando começou sua formação?

VALÉRIA SELLANES – Sempre gostei de artes desde pequena, desenhava, pintava… Na escola só tirava a nota máxima em Educação Artística. Meus pais também gostavam de artes e sempre me incentivaram. Nossa casa sempre foi povoada por pinturas e desenhos nas paredes, muitos livros e música.

Quando tinha uns 16 anos, abriu uma exposição no Museu de Arte Moderna do Rio (MAM) da Camille Claudel. Na época eu morava na região dos Lagos. Lembro que, por coincidência, meu pai tinha um compromisso no Rio e me trouxe, me deixou no MAM e depois passou para me buscar. Foram as horas mais maravilhosas da minha vida. Percebi que era onde eu queria estar, não sabia exatamente fazendo o que ou como estaria naquele espaço, mas era isso que eu queria.

Quando entrei na faculdade, encontrei minha tribo. Fiz amizades para vida. No começo queria ser artista mas, no decorrer do processo, muitas possibilidades surgiram, não sabia exatamente onde as artes iriam me levar, mas sabia que estava no caminho certo.

NPComo foi seu encontro com a conservação e o restauro? Você pode falar um pouco sobre como é esse campo e a importância dele para garantir a manutenção e sobrevida das obras de arte.

V.S. – Foi na metade do curso da faculdade, cheguei a pensar em trancar. Mas o irmão (Humberto Carvalho) de uma grande amiga (Eloá Carvalho) da faculdade estava fazendo um curso com uma ex-funcionária do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) e decidi fazer o curso também. Ao começar foi como se tudo tivesse entrado nos eixos, tudo queestava aprendendo fazia sentido e se encaixava com meu desejo de trabalhar nas artes.

A importância, na maior parte das vezes, pode ir muito além da intervenção em uma obra ou em um acervo. Quando se fala em preservação da memória e do patrimônio, estamos falando na preservação de coleções para gerações futuras. Para essas gerações poderem entender a história e as artes. Estamos falando também de políticas de segurança que protejam nosso patrimônio. Na verdade, o mundo do restauro e da conservação é muito amplo. Existe um leque de possibilidades dentro da profissão.

NP –Você trabalha com coleções privadas e instituições públicas cujas políticas e cuidados em relação as obras devem ser bem diferentes. Isso é transposto aos cuidados com as obras? Tem alguma história marcante sobre a relação do colecionador com a obra e seu restauro/cuidado?

V.S. – A maior parte das instituições públicas tem uma visão e metodologia voltadas para a conservação preventiva, por exemplo, cuidados com o controle da temperatura e umidade, controle de pragas e micro-organismos, higienização, monitoramento, ações que cuidam do entorno e tem um impacto no acervo ou coleção. Evitando intervenções mais conhecidas como conservação corretivas ou restaurações. Geralmente colecionadores particulares não tem essa visão ou acervo suficiente que necessite deste tipo de abordagem. Acabam focando na individualidade da obra ou o retorno ao “original” que, infelizmente, acaba trazendo danos irreversíveis a mesma.

Lembro da primeira vez que uma tinta sensibilizou (processo no qual a tinta fica solúvel, dissolve na água) no meio de um tratamento aquoso. Consegui reverter o processo. Mas a sensação foi a de um mini ataque do coração. Sempre aprendemos com nossos erros, e isso me ensinou a testar mil vezes antes de começar qualquer procedimento.

NP – Na academia e dentro do campo museal, a conservação e preservação são vistos com grande importância. Porém, você acha que o público em geral tem entendimento da profissão e da sua importância? Acha que existe alguma maneira – institucional ou mais popular – de aproximar o público, seja um público leigo ou até mesmo o mais familiarizado com o universo das artes, do mundo do restauro e conservação?

V.S. – Se pensarmos que, até hoje, a profissão de Conservação e Restauração não é regulamentada, essas distâncias devem ser abreviadas. Assim como levar o público leigo para dentro dos museus é essencial. Fazer com que, desde o ensino básico seja um costume, uma ação escolar, as visitas aos museus e espaços culturais. Ensinar e mostrar que o patrimônio é de todo nós, e que devemos preservá-lo para as gerações futuras. Despertar o amor às artes. O preenchimento desses espaços com o público, trazendo o sentimento de pertencimento. Dessa forma despertando o interesse com o cuidado com o patrimônio.

NP – É bem visível que nas profissões ligadas à museologia e restauro existe uma maioria de profissionais mulheres. Você credita isso a algum fator específico? Mesmo com a maioria sendo feminina, acha que ainda existem preconceitos ligados ao gênero na sua área?

V.S. – Eu acredito que este fato está diretamente ligado ao “cuidar” e o prestar atenção aos detalhes, características essenciais para o fazer na museologia e na conservação e restauração. São qualidades associadas mais ao feminino. E isso não quer dizer que homens não possam desenvolver esses atributos, mas são mais naturais no cotidiano das mulheres.

Sim, ainda acontece, infelizmente. Como em muitas áreas, a diferença na remuneração. Ou confiar mais no trabalho quando é um homem que está à frente de uma atividade. Aquela velha ideia de provedor ou mais eficiente. Vez ou outro precisamos nos impor, mesmo com mais de 15 anos de experiência no mercado…

Valéria Sellanes Graduada em Pintura pela UFRJ (2003). Pós-graduação em Preservação de acervos de C & T – pelo MAST (2011). Trabalha com vistoria, coleta e devoluções de obras de arte para instituições museais e coleções privadas. É presidente da empresa LIBRA CULTURAL. Em 2014, assumiu a Gerência do Setor de Apoio Técnico – Divisão de Restauração – do Arquivo Geral da Cidade do RJ. Ministra curso de Courrier e laudos técnicos de estado de conservação de obras de arte no COREM – RJ.



Editatona Artes+Feminismos I Arte Trans

Editatona Artes+Feminismos I Arte Trans

Ciclo de Conversas + Tutorial Wiki | 29 de agosto de 2020 | 14h às 19h – On-line na plataforma Zoom.us A coletiva de pesquisa NaPupila e Brume Dezembro, através da parceria com o Wiki Movimento Brasil (WMB) e a Secretaria de Estado de Cultura […]

ENTREVISTAS – PROFISSIONAIS DA ARTE

ENTREVISTAS – PROFISSIONAIS DA ARTE

No mês de julho damos prosseguimento ao projeto de entrevistas com mulheres profissionais da arte, um campo muito mais vasto do que nos é apresentado. Reforçamos nosso intuito de, a partir de entrevistas com diferentes profissionais atuantes do campo das artes, suas profissões e colaborações […]

Artes + Feminismos I Arte e Arquivo – julho de 2020

Artes + Feminismos I Arte e Arquivo – julho de 2020


Com eventos bimestrais, a maratona Edit-a-thon Artes + Feminismos tem o objetivo de aumentar a presença feminina na Wikipédia, seja nos verbetes ou na edição da ferramenta. O próximo encontro acontece nos dias 18 e 19 de julho, sábado e domingo, a partir das 14h, em formato online. Gratuito e aberto ao público, o evento de dois dias será realizado na plataforma Zoom.

A coletiva de pesquisa NaPupila, através da parceria com o Wiki Movimento Brasil (WMB)   e Instituto Moreira Salles (IMS) convidam você a integrar no evento online Wikipédia Edit-a-thon: Artes+Feminismos | Arte e Arquivo – desdobramentos da prática decolonial, nos dias 18 e 19 de julho. Essa iniciativa dá continuidade ao trabalho da fundação internacional e sem fins lucrativos Art+Feminism no Brasil, integrando as maratonas de edição Edit – a – Thon à debates temáticos.

Em observação ao Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, comemorado em 25 de julho, desde 2014 – em acordo com o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e Caribenha reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) e compreendendo a relevância do histórico de lutas dos movimentos feministas, será  realizada uma maratona voltada para o trabalho fundamental de feministas e artistas negras. 

No Brasil, a população negra corresponde a mais de 50% dos 209,5 milhões de habitantes (IBGE, 2018). No entanto, a microscópica representatividade nos poderes públicos e privados é constrangedora. Nas artes visuais isso não é diferente, em particular se somarmos também a questão do gênero nessa equação. Assim, cada êxito deve ser celebrado e cimentado na memória coletiva. 

O problema de gênero da Wikipédia está bem documentado. Em uma pesquisa de 2011, a Wikimedia Foundation descobriu que menos de 10% de seus colaboradores se identificaram como mulheres; já pesquisas mais recentes apontam para um total de 16% em todo o mundo, um percentual ainda muito reduzido. 

Isso é um problema.

Porque quando mulheres, não-binários, sobretudo negras e indígenas, não estão representadas nos textos do décimo site mais visitado do mundo, informações a respeito desses indivíduos podem ser distorcidas e deturpadas. É necessário uma reparação histórica e um revisão  mais eficaz e rigorosa dos fatos. As narrativas precisam ser contadas por quem as vivencia.. Entendendo tais circunstâncias, as Editatonas Artes+Feminismos buscam diminuir as disparidades de gênero e inclusão de fontes confiáveis através da criação e edição de verbetes de mulheres cis e trans artistas, pesquisadoras, curadoras e demais profissionais  das artes na plataforma Wikipédia. 

Venha editar conosco!

Inscreva-se AQUI 

Importante: Antes de entrar na sala de reunião, crie um perfil na Wikipédia 


Programação Virtual: 

18/07 

14h

Rachel de Rezende – Acervo IMS – Rio de Janeiro

Ana Paula Alves Ribeiro Professora na UERJ –  Rio de Janeiro – Experiência no Museu Afro-Digital

Miriam Cristina dos Santos – Escritora – Minas Gerais –  Livro Intelectuais Negras, Prosa Negro-Brasileira Contemporânea 

17h

19/07

14h

Silvana Mendes – Artista Visual –  Maranhão – Desconstrução de Visualidades Negativas em Corpos Negros

Érica Azzellini – Wiki Movimento Brasil – São Paulo – Tutorial Wiki 

18h


O evento ocorrerá na plataforma Zoom.us 

1. Abra um cadastro na plataforma Zoom.us

2. Clique em “Entrar em uma Reunião”

3. Adicione o ID da reunião: 823-2377-2207, ou acesso o link da sala, para falar diretamente com as organizadorxs. Pronto!

*Não é necessário conhecimento prévio

*Na Sala de Reunião serão oferecidas dicas, fontes de pesquisa e ajuda prática. 

*Já tem uma pesquisa sobre uma artista ou iniciativa feminista de arte? Entre em contato!


Realização: NaPupila 

Parceria:Wiki Movimento Brasil (WMB), Instituto Moreira Salles (IMS), ArtandFeminism

Chamada aberta PAMA | Revista Desvio

Chamada aberta PAMA | Revista Desvio

Em acordo com as propostas da coletiva curatorial NaPupila, divulgamos a chamada aberta do grupo de Pesquisadoras sobre Arte e Artistas Mulheres na Academia (PAMA) da Revista Desvio.   O grupo PAMA contará com 10 encontros semanais e ocorrerá de modo virtual, entre os meses de agosto e outubro de 2020, através de videoconferência. […]

ENTREVISTAS

ENTREVISTAS

Conversar, trocar, compartilhar, todos são verbos de ação que incluem dois ou mais indivíduos no ato. Precisamos dividir, escutar e, assim, conseguimos aprender e compartilhar ensinamentos. Criamos uma seção no site do NaPupila de entrevistas para ser um espaço de troca. Troca entre nós, entrevistadores […]

Colírio | Micro críticas

Colírio | Micro críticas

Colírio é um remédio cujo propósito é lubrificar, dilatar e inibir a pupila. Não é próprio do olho mas é majoritariamente utilizado neste órgão. Usamos o colírio para curar, ver através de novas lentes, permitir um novo olhar e sanar questões médicas. Pingamos, com cuidado e, muitas vezes, ajuda de outros, gota a gota em nossa pupila, esperando um resultado imediato que nos permita retomar o olhar de um mundo conhecido.

Traduzimos as gotas do colírio em nosso vocábulo em pequenos “drops” de análises críticas sobre exposições, artistas, obras e experiências relacionadas ao campo das artes contemporâneas.

Inauguramos a seção esperando que ela possa ajudar a lubrificar e abrir o seu olhar para novos e antigos conhecidos, permita ampliar seu campo de visão questionando e informando sobre a arte em seu amplo aspecto.

Abra os olhos e receba nossos drops!


Artes + Feminismos I Arte e Trabalho – maio de 2020

Artes + Feminismos I Arte e Trabalho – maio de 2020

A coletiva de pesquisa NaPupila, o Wiki Movimento Brasil (WMB) e o Instituto Moreira Salles em continuidade ao trabalho do Arte+Feminismo no Brasil realizando a maratona online de edição “Edit – a – thon Artes + Feminismos / Arte e Trabalho”, nos dias 23 e […]